por paulo eneas
Existe uma opinião corrente entre muitos analistas de que a invasão da Ucrânia pela Rússia deveu-se em grande parte à fragilidade e tibieza dos líderes políticos das principais democracias liberais do Ocidente. Essa percepção foi reforçada até mesmo por Donald Trump, que afirmou há poucos dias que Vladimir Putin não invadiria a Ucrânia se ele, Donald Trump, estivesse à frente da Casa Branca.

Há muita verdade nesta análise. Um Ocidente que tem como “líderes” figuras como Joe Biden, Emmanuel Macron, Olaf Schultz, Justin Trudeau e outros fantoches globalistas, e que está impregnado da cultura identitária, feminista, ambientalista, e todo o resto do lixo da agenda imposta pelos globalistas, emite um sinal claro aos seus inimigos de que não está disposto a lutar por coisa alguma.

Mas há um elemento faltante nesta análise e que podemos conjecturar que possivelmente tenha escapado ao cálculo de risco elaborado pelo próprio Vladimir Putin em sua decisão de invadir a Ucrânia. Este elemento faltante é o entendimento de que estes líderes frágeis a rigor não detêm poder algum de decisão nas questões que realmente importam.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

As decisões que realmente importam são tomadas no Ocidente justamente pelos agentes globalistas associados às grandes corporações metacapitalistas, às big techs, às companhias transnacionais da big pharma e são no mais das vezes pautadas pela pressão de opinião pública gerada pelos meios de comunicação de massa, que por sua vez são financiados e controlados justamente pelos mesmos globalistas que colocaram esses fantoches no poder político nestes países.

Falar portanto em fraqueza dos líderes ocidentais, no que diz respeito à agressão russa ao território ucraniano, é apontar o dedo para o boneco e ignorar o ventríloquo que o manipula. Estes líderes exibiram a fraqueza institucional “necessária” para que Vladimir Putin desse vazão às suas aspirações expansionistas.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

Mas o que temos observado logo após a invasão é que a resposta das corporações e dos organismos internacionais, institucionais ou privados, controladas pelos globalistas não está necessariamente na mesma linha da fraqueza institucional destes líderes.

As sanções econômicas, o quase “cancelamento” da Rússia do sistema financeiro internacional e uma série de outras medidas não podem ser descritas como exibição de fraqueza, ainda que seus reais efeitos na economia da Rússia ainda estão para ser avaliados, principalmente considerando o retaguarda econômica da China.

Se o ditador Vladimir Putin tinha ou não percepção prévia desta resposta direta que seria dada pelos próprios agentes globalistas, e não por seus fantoches ocupando posições governamentais, não temos como avaliar. Mas seguramente não se pode afirmar que estes agentes estejam agindo com a mesma fraqueza e tibieza dos governantes que cumprem suas ordens.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE