por paulo eneas
Pela primeira vez após dezenove dias desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, um membro do alto escalão do governo de Vladimir Putin admitiu e reconheceu oficialmente que as forças militares invasoras russas estão encontrando dificuldades maiores do que as esperadas no território ucraniano.

“Eu gostaria de dizer que sim, nem tudo está indo tão rápido como gostaríamos, mas continuaremos buscando nosso objetivo passo a passo, e a vitória será nossa”, afirmou Viktor Zolotov, Chefe da Guarda Nacional Russa, e responsável há mais de treze anos pela segurança pessoal de Vladimir Putin.

A afirmação, que é uma confissão, foi feita por Viktor Zolotov durante culto religioso ortodoxo em Moscou neste domingo (13/mar), e destoa dos pronunciamentos oficiais do Ministro da Defesa, Sergei Shoigu, que tem afirmado que as operações militares russas em solo ucraniano seguem conforme o planejado.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

Por sua vez, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou nesta segunda-feira (14/mar) que as forças militares russas têm sido “cuidadosas” em suas operações para não atingir civis, repetindo assim a propaganda oficial de guerra do Kremlin que descreve as dificuldades russas como decorrentes de supostas preocupações em poupar civis ucranianos.

Conforme o Crítica Nacional afirmou na reportagem Os Quinze Dias de Resistência Heroica da Ucrânia Podem Custar a Cabeça do Ditador Vladimir Putin, publicada na semana passada, a expectativa dos analistas era a de que o supostamente poderoso exército russo esmagaria os ucranianos em três ou quatros dias, e concluiria a agressão assassinando ou prendendo o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

Esta esperada blitzkrieg também foi a promessa de Vladimir Putin ao establishment de poder político do Kremlin. Mas o que vimos nestas semanas foi uma resistência heroica do povo ucraniano, movido pela determinação de não abrir mão de sua soberania como nação independente.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

Três dias após a invasão da Ucrânia, o editor do Crítica Nacional havia comentado as já visíveis dificuldades encontradas pelas tropas russas, conforme mostrado no print abaixo. O que se esperava ser uma blitzkrieg, estendeu-se para uma guerra que já dura vinte dias, contra todas as expectativas que haviam no início do conflito. Fonte: Agência Reuters.

Leia também:


Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 02259742823 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE