por paulo eneas
A estatal chinesa gigante do setor de alimentos e logística, a Cofco International, passará a controlar e operar o terminal destinado a grãos sólidos vegetais do Porto de Santos, denominado terminal STS 11. O arremate foi feito em leilão realizado na última quarta-feira (30/mar) na Bolsa de Valores de São Paulo.

A estatal chinesa irá explorar o terminal portuário brasileiro por 25 anos, podendo este prazo ser prorrogado até 70 anos. O terminal STS 11 do Porto de Santos está entre os maiores do país, com capacidade de movimentação anual de cerca de 14 milhões de toneladas de carga. A empresa terá que investir cerca de R$764 milhões na melhoria da infraestrutura do terminal.

A Cofco International arrematou o terminal ofertando um total de R$ 10 milhões em outorga à Santos Port Authority, tendo pago 25% do valor no ato de homologação da outorga, e o restante a ser pago em cinco parcelas anuais.

O  diretor-presidente da Santos Port Authority, Fernando Biral, afirmou que este é o sexto leilão de terminais do Porto de Santos, de um total de onze leilões programados para o período de 2019 até 2022.

O leilão foi realizado pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários no âmbito do Programa de Parceria de Investimentos (PPI) da Presidência da República. O planejamento do leilão do Terminal STS 11 foi detalhado no website oficial do PPI, que pode ser visto neste link aqui. O regramento legal foi dado pelo Decreto Federal 10.635, de 22/02/2021.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.


A Atuação da Cofco no Brasil

A estatal chinesa já atua no Brasil há cerca de vinte anos por meio da Cofco Brasil, com forte presença no setor de açúcar, café, grãos, oleaginosas e etanol. A empresa possui quatro usinas de cana de açúcar e álcool no Brasil, e uma unidade de processamento de soja em Rondonópolis (MT), além do planos de novas aquisições no setor agrícola, especialmente lavouras de concorrentes.

Como a prioridade da empresa, que na verdade é a prioridade do Partido Comunista Chinês com seu programa de Nova Rota da Seda, é assegurar a logística de envio de itens estratégicos para a China, a empresa atua também no setor portuário, controlando portos ou terminais na Argentina, Austrália, Ucrânia e agora no Brasil.

No início de 2020 a empresa fez oferta de aquisição de suas usinas açucareiras no interior paulista: uma na cidade de Monte Aprazível e outra em Planalto, pertencentes a um grupo nacional em recuperação judicial. A operação ainda não foi finalizada.

Uma das estratégias da estatal chinesa de alimentos no Brasil é predominar sobre o setor de etanol. Par isto o CEO da companhia já tem o mote pronto: com as restrições da pandemia, a poluição diminuiu, provando assim que a gasolina polui e, portanto, é melhor usar carro a álcool.

Em uma coincidência improvável, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal aprovou na semana passado projeto de lei que proíbe a produção e circulação de veículos movidos a gasolina ou diesel em todo o território nacional a partir de 2040.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o próprio CEO da empresa revela que parte da oferta de cana para as usinas açucareiras da Cofco Brasil vem de agricultores que deixaram de fornecer a matéria prima para outras usinas nacionais em dificuldades financeiras na mesma região de atuação das usinas da Cofco.

Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.


A Gigante Chinesa Cofco International

Em seu website oficial, a Cofco Intl apresenta-se como uma plataforma de agronegócios e uma das maiores companhias agrícolas e de alimentos da China, com atuação em 35 países. A empresa afirma estar acelerando seu crescimento para criar uma cadeia de suprimentos agrícolas ancorada na China.

A empresa afirma ser líder em cadeias globais de fornecimento de grãos, oleaginosas, açúcar e café. Sua sede é em Genebra, Suíça, e seu portfólio inclui ativos em todos os continentes. A Cofco Intl afirma também que faz negócios com mais de cinquenta países, para fornecer aos agricultores acesso direto e exclusivo ao mercado chinês.

Além da Cofco Corporation, a empresa fundadora e a maior companhia de agronegócios em valor de ativos do mundo, a Cofco Intl tem entre seus acionistas as empresas Temasek, Affirma Capital, China Investment Corporation e Hopu Investment Management.

A descrição feita pelo website da companhia, que obviamente não contém todas as informações estratégicas relevantes, permite deduzir que a Cofco Intl é uma estatal estratégica do setor de alimentos da China e portanto, como ocorre com todas as grandes estatais chinesas, encontra-se sob controle direto do Partido Comunista Chinês. Fonte: Canal Rural | Cofco International Brazil | Revista Exame | União Nacional de Bioenergia | Furtado Ferreira Advogados


Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE