por angelica ca e paulo eneas
O  Foro de São Paulo, organização transnacional que congrega os principais partidos socialistas, comunistas e forças revolucionárias de todo tipo na América Latina, informou em seu website oficial ter participado em maio deste ano de um seminário online organizado pelo Partido Comunista Chinês. O tema do seminário foi “Relações entre China e América Latina na Nova Era”.

O seminário foi organizado pelo Departamento Internacional do Comitê Central do Partido Comunista Chinês, e teve como objetivo dar andamento à influência crescente do regime de ditadura comunista chinesa nos assuntos políticos internos dos países latino-americanos.

Esta ingerência, que tem como pano de fundo os interesses expansionistas do regime comunista chinês se dá, entre outros, pela estreita cooperação e articulação política do Partido Comunista Chinês com os partidos políticos de esquerda dos países latino-americanos por meio do Foro de São Paulo.

O Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

Partidos políticos de esquerda de cerca de quinze países latino-americanos participaram  da videoconferência realizada em Pequim no dia 10 de maio deste ano. Dentre os participantes estavam a vice-ministra do Departamento Internacional do Comitê Central do Partido Comunista Chinês, Shen Beili, e a secretária-executiva do Foro de São Paulo, Mônica Valente, membro da Direção Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) do Brasil.

Participaram do seminário um total de trinta partidos comunistas e socialistas da Argentina, Brasil, Uruguai, Cuba, Nicarágua, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, Guatemala, México, Panamá, Peru, República Dominicana e Venezuela.

Em sua fala, Shen Beili reconheceu o papel desempenhado pelo Foro de São Paulo, descrito por ela como sendo uma “plataforma importante para as forças de esquerda” na América Latina. A representante do Partido Comunista Chinês afirmou também “a China está disposta a trabalhar com a América América para (…) a construção de uma comunidade sino-americana com um futuro compartilhado”.

O que o Partido Comunista Chinês chama de futuro compartilhado é a colocação de toda a América Latina sob a esfera de influência chinesa por meio do solapamento das soberanias nacionais dos países da região, colocando-os todos a serviço dos interesses geoestratégicos chineses, especialmente no que diz respeito ao acesso a recursos naturais e produção agrícola a ser destinada ao mercado chinês.

O Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

Para atingir este objetivo, que se insere no projeto de natureza colonialista de longo prazo do Partido Comunista Chinês denominado Road and Belt, a ditadura comunista chinesa conta com o apoio da esquerda revolucionária latino-americana reunida e articulada no Foro de São Paulo. Conta também com as instituições nacionais latino-americanas que já estão sob controle do crime organizado, como é o caso da ditadura chavista da Venezuela.

O projeto colonialista chinês conta também com o respaldo de segmentos importantes do establishment político corrupto em cada país latino-americano, como é o caso dos partidos políticos do Centrão que atualmente controlam o Governo do Brasil.

Observe-se que a aliança estratégica entre os comunistas chineses e os partidos da esquerda latino-americana pode ser constatada na atuação destes partidos. Por exemplo, nenhum partido de esquerda brasileiro questionou ou criticou a entrega do controle do principal terminal de cargas do Porto de Santos ao Partido Comunista Chinês.

O Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

A entrega deste terminal de cargas ao controle do Partido Comunista Chinês foi realizada por decisão e iniciativa do Governo do Brasil, por meio do então ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, que este ano disputará o Governo do Estado de São Paulo em uma aliança política encabeçada por um dos partidos do Centrão.

A agressividade comercial chinesa em sua estratégia expansionista colonialista do Road and Belt envolve gigantescos volumes financeiros. Durante o seminário com o Foro de São Paulo, Shen Beili revelou que o objetivo da ditadura comunista chinesa é superar a marca dos 21 bilhões de dólares alcançada no ano passado nas relações comerciais entre a China e os países da América Latina. Até o momento, 21 países latino-americanos assinaram o Memorando de Entendimento com a China em torno da Iniciativa Road and Belt.

Esta não é a primeira vez que o  Foro de São Paulo e o Partido Comunista Chinês realizam atividades conjuntas. Em 9 de setembro de 2021, o Foro de São Paulo e o PC Chinês realizaram uma conferência conjunta a pretexto da pandemia do coronavírus, surgida justamente na China. Naquela ocasião, partidos políticos de esquerda de dezoito países da  América Latina e do Caribe participaram do evento. Fonte: La Gaceta | Website Oficial do Foro de São Paulo.

Leia também:
Gigante Estatal Chinesa Cofco International Arremata Terminal de Carga de Grãos do Porto de Santos

O Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos encarecidamente ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE