O apelo feito nesta quinta-feira (09/06) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para que empresários do setor de supermercados segurem espontaneamente os aumentos de preços foi uma péssima sinalização aos agentes econômicos. O apelo do ministro foi feito ao lado do Presidente da República. A iniciativa retórica de Paulo Guedes é ineficaz e produz o pior efeito possível.

É ineficaz por que muitos dos itens alimentícios em supermercados são de setores monopolizados. Nenhum monopólio irá reter espontaneamente aumentos de preços de seus produtos, pois o sentido de um monopólio é justamente valer-se da ausência de competição para obter o máximo de lucro.

O que impede aumento de preços é ambiente econômico de livre concorrência, sem monopólios, câmbio favorável, regime tributário justo. Paulo Guedes não foi capaz de entregar esse ambiente de economia.

A fala do ministro serviu apenas para passar aos agentes econômicos a percepção de que o governo entregou os pontos, jogou a toalha e não tem mais o que fazer, a não ser contar com a “boa vontade” de empresários dispostos a abrir mão do seu lucro. Paulo Guedes deveria falar menos preocupar-se em entregar mais resultados.

O Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE