por paulo eneas
O segundo turno das eleições presidenciais da Colômbia realizado neste domingo (19/06) teve o maior índice de comparecimento de eleitores desde 1998. Ou seja, ao contrário da mentira que está sendo disseminada nas redes sociais brasileiras, a abstenção nas eleições colombianas este ano foi a menor nos últimos vinte e quatro anos.

Segundo dados da Registraduría del Estado Civil da Colômbia, um total de 22.658.694 eleitores foram às urnas no segundo tuno, o que corresponde a 58.09% dos eleitores inscritos, o que equivale a 41.91% de índice de abstenção.

No segundo turno das eleições anteriores de 2018, que foram vencidas pelo atual presidente de centro-direita Iva Duque, o índice de abstenção foi de 53.00% dos eleitores inscritos.

Nas eleições deste ano, a centro-direita representada pelo candidato governista Federico Gutiérrez, apoiado pelo atual presidente de centro-direita, Iván Duque, foi derrotada já no primeiro turno, uma vez que Gutiérrez ficou em terceiro lugar, com 24% dos votos e não foi ao segundo turno.

O Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

O índice de comparecimento de eleitores colombianos neste segundo turno das eleições foi maior do que no primeiro turno realizado no fina de maio. No primeiro turno, abstenção foi de 45.10% dos eleitores inscritos. No segundo turno, a abstenção foi de 41.91% como mostramos mais acima. Ou seja, mais pessoas foram votar no último domingo.

O voto não é obrigatório na Colômbia, embora haja incentivos na lei para o eleitor comparecer. A menor abstenção obtida nos últimos anos foi nas eleições de 1998, quando 63.00% dos eleitores compareceram às urnas e a abstenção ficou em 37% dos eleitores aptos a votar. Desde então, os índices de abstenção no segundo turno das eleições presidenciais foram os seguintes:

1994: 56% de abstenção

1998: 37% de abstenção

2002 e 2006: não houve segundo turno

2010: 55% de abstenção

2014: 52% de abstenção

2018: 47% de abstenção

2022: 41% de abstenção

O voto em branco teve peso irrelevante no resultado do pleito deste domingo, e ficou em 2.24% dos votos válidos. Mesmo que hipoteticamente todos os votos em branco fossem em favor do candidato independente Rodolfo Hernández, o resultado não se alteraria, pois o esquerdista venceu com 50.44% dos votos, enquanto Hernández obteve 47.31% dos votos válidos. Fonte: Poder360 | Registraduría del Estado Civil.

Leia também:
A Desgraça Política da América Latina: Uma Pseudo-Direita Centrista Politicamente Correta

O Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE