por angelica ca e paulo eneas
Uma decisão da justiça federal norte-americana tomada na última quarta-feira (20/07) possibilitou a entrada em vigor de uma lei do Estado da Georgia que proíbe o aborto a partir de seis semanas de gravidez entrasse em vigor imediatamente.

A decisão foi tomada pelo 11º Circuito do Estado da Georgia do Tribunal de Apelações dos Estado Unidos quase um mês depois da suprema corte ter derrubado a jurisprudência anterior do caso Roe versus Wade.

O Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.

A lei pró-vida do Estado da Georgia, denominada lei do batimento cardíaco, foi assinada em 2019 pelo governador republicano Brian Kemp. A lei proíbe a maioria dos abortos após seis semanas de gravidez, que é quando, normalmente, é possível detectar a atividade cardíaca do bebê. A lei não entrou em vigor por determinação da justiça, que a considerou inconstitucional.

A norma legal traz exceções, como no caso de urgências médicas para prevenir a morte da parturiente ou a sua debilitação física. Também estão entre as exceções os abortos até vinte semanas em casos de gravidez resultante de violação ou incesto, comprovado por registro policial. Fonte: ABC News | Washington Post | Europa Press.

O Crítica Nacional é uma mídia independente que mantém-se fiel ao compromisso com a verdade e a defesa de valores conservadores, e precisa do apoio de seus leitores para continuar. Apelamos ao nosso público para contribuir conosco pelo PIX: 022.597.428-23 ou através deste link para fazer assinatura de apoio.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE